Arquivos da categoria: Notas Curtas

Longas da 33ª Mostra de Cinema de SP poderão ser vistos via Internet

A 33ª edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo vai exibir 24 longas na internet. Os filmes estarão disponíveis aos 300 primeiros acessos logo após a exibição do filme nos cinemas que integram o festival.

Os arquivos online são fruto de parceria da Mostra com The Auteurs, comunidade banda pela Costa Films, Criterion e Celluloid Dreams.

Confira os dias em que os filmes estarão disponíveis:

Sábado (24/10)
13 Minutos, de Felipe Briso, Gilberto Topczewski (Brasil)
Amor em Trânsito, de Lucas Blanco (Argentina)
BR3 (Ficção, de Evaldo Mocarzel
Tikimentary, de Duda Leite
Nós que Ainda Estamos Vivas, de Daniele Cini (Itália, Argentina)
Tudo que nos Cerca, Hashiguchi Ryosuke (Japão)
Seguindo em frente, de Hirokazu Kore-Eda (Japão)

Quarta-feira (28)
Um Lugar ao Sol, de Gabriel Mascaro (Brasil)

Domingo (25)
À Margem do Lixo, de Evaldo Mocarzel (Brasil)
Dentro da Leonera, de Nicolas Bénac e Cedric Robion (França)

Segunda-feira (26)
Cortejando Condi, Sebastian Doggart (EUA, Reino Unido)
Futebol Brasileiro, de Miki Kuretani e Tatiana Vilela (Japão, Brasil)
Kalandia, História de uma Fronteira, de Neta Efrony (Israel)

Terça-feira (27)
Momentos de Jerusalém, de vários diretores (Israel)
O Pequeno Indi, de Marc Recha (Espanha, França)

Quarta-feira (28)
A Cantora de Tango, de Diego Martinez Vignatti (Bélgica, Argentina, França, Holanda)
O Jogo do Pai, de Michael Glawogger (Alemanha, Áustria)

Quinta-feira (29)
Reidy, A Construção da Utopia, de Ana Maria Magalhães
Vencer, de Marco Bellocchio (Itália)

Sexta-feira (30)
Aquiles e a Tartaruga, de Takeshi Kitano (Japão)

Domingo (1/11)
Hugo Rei e sua Donzela, de Franco de Peña (Polônia, Venezuela)
O Cerco, de Toshi Fukiwara (Japão)

Segunda-feira (2/11)
Siri-Ará, de Rosemberg Cariry (Brasil)

Fonte: http://cinema.cineclick.uol.com.br

Mostra de cinema e Direitos Humanos na América do Sul

De 5 de outubro a 10 de novembro, dezesseis capitais brasileiras receberão a programação da 4ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul. Na ocasião, serão exibidas obras de cineastas sul-americanos sobre temas, valores e dilemas que dizem respeito à dignidade humana.

O evento é uma realização da Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, com produção da Cinemateca Brasileira.

Aqui em Natal, os filmes serão exibidos no auditório do SEBRAE, de 6 a 11 de outubro.

Para saber quando a mostra ocorerá em sua cidade, basta ir ao site oficial: http://www.cinedireitoshumanos.org.br/

Neste domingo, mais um filme do ciclo “Flores do Irã”, exibido pelo Cineclube Natal no TCP

Em agosto, o Cineclube Natal propõe uma nova experiênca aos nossos olhares: é o ciclo temático “Flores do Irã”, iniciado na última sexta-feira, com “O Jarro”, e que continua no próximo domingo, com “Tempo de Embebedar Cavalos”. A sessão começa às 17h, no Teatro de Cultura Popular, na Rua Jundiaí, ao lado da Fundação José Augusto, por módicos R$ 2,00. Programa cinéfilo imperdível.

A seguir, um pouco mais sobre o filme, em texto elaborado por Gian Marchi, também do CCN:

Numa remota vila curda, localizada na fronteira entre o Iraque e o Irã, vivem cinco crianças órfãs de mãe, responsabilizadas pela perda da mula de um contrabandista. Ayoub (Ayoub Ahmadi) e sua jovem irmã Amaneh (Amaneh Ekhtiar-dini) trabalham em um bazar, a fim de juntarem dinheiro para pagar a mula perdida, ao mesmo tempo que precisam cuidar de Madi, o irmão caçula, que sofre de uma grave doença. Quando o pai deles morre, Ayoub precisa cuidar da família, apesar de sua tenra idade, passando a ajudar os contrabandistas, carregando pesadas cargas pelas montanhas até o Iraque e enfrentando a constante ameaça das minas e emboscadas. Mas quando a saúde de Madi piora, a única solução é uma operação no Iraque, a qual Ayoub não tem condições de pagar. Entretanto, uma possível solução surge quando a irmã mais velha das crianças, Rojin (Rojin Younessi) consegue um casamento arranjado no Iraque, com seu futuro marido se comprometendo a pagar a operação de seu irmão. Mas será que o destino será piedoso como essas crianças?

Sem enfeites ou soluções mágicas para os conflitos do filme, este é um relato realista – ao extremo, diga-se. O diretor nos mostra o esforço de crianças órfãs para conseguirem algum dinheiro, em meio às duras condições sob as quais vivem, sem qualquer tipo de assistência – ou mesmo piedade – dos adultos que as cercam. Uma estória deprimente e densa, cruel até, mas que retrata as condições sub-humanas que crianças e animais passam em certos países – mas como se pode falar em direitos dos animais em lugares em que nem seres humanos são levados em consideração? Apesar do tom pessimista, o filme é poético e transparece lindamente na relação afetiva entre os irmãos, trazendo ao espectador algum conforto dentro do seu lirismo. Especial destaque vai para a fotografia, que retrata muito bem a paisagem do noroeste iraniano. Ganhador do prêmio Camera D’Or no Festival de Cannes 2000, foi dirigido por Bahman Ghobadi, o mesmo de “Tartaruas Podem Voar”. E para os curiosos, não se precupem: o título é explicado no filme.

17ª edição do Anima Mundi

O Rio de Janeiro respira animações diversas desde o dia 10 de julho. Isso porque a cidade maravilhosa sedia a 17ª edição do Anima Mundi até o dia 19. Depois será a vez de São Paulo, que sediará o evento de 22 a 26 de julho.

Nessa edição  serão exibidas 401 animações de 40 países, entre eles: França, Reino Unido, EUA, República Checa, Letônia, Taiwan, Moçambique e Croácia.

O convidado da vez é o animador francês Michel Ocelot (Kirikou e a besta selvagem e Kirikou e a Feiticeira), que participará, no dia 17, do Papo Animado.

Para maiores informações, basta acessar o site do evento: http://www.animamundi.com.br/fest_home.asp

Mais um clássico dos games virará filme

Hollywood já está apelando.

Quem já jogou o bom e velho Atari deve se lembrar de um jogo chamado Asteroids, no qual a gente pilotava uma cápsula espacial triangular, cuja missão era atirar nos milhares de asteróides que apareciam  ao redor.

Foi anunciado que a Universal adquiriu os direitos para adaptar esse game para o cinema.

Que tipo de filme vai render, só o futuro dirá.

A animação PONYO tem data de estreia confirmada nos EUA

PONYO on the Cliff by the Sea é uma co-produção Estúdios Disney e Estúdios Ghibli, dirigida por Hayao Myiazaki (A Viagem de Chiriro, O Castelo Animado), que terá como dubladores uma penca de famosos, como Cate Blanchett, Matt Damon e Liam Neeson.

O produtor Frank Marshall confirmou ontem que a animação PONYO  estreará, nos cinemas norte-americanos, no dia 14 de agosto, embora o dvd japonês tenha sido lançado no dia 03 de julho.

Esse intervalo de um mês é necessário para que os americanos modifiquem algo que fuja aos “padrões” da Disney.

Com PONYO, os Estúdios Disney retornam à animação manual, feita em 2 D.

Segundo Frank Marshall, essa parceria entre os estúdios americano e japonês visa promover internacionalmente  as animações de Myiazaki, atingindo um público maior.

Ele também informou que durante a Comic Con de San Diego, que acontece entre os dias 23 e 26 de julho, muitas novidades sobre PONYO serão mostradas, inclusive com a presença do próprio Myiazaki.

No Brasil, a estreia de PONYO está prevista para o dia 09 de outubro.

Para ver fotos e trailers do PONYO, clique aqui.

Besouro – nasce um heroi

E o cinema brasileiro vai ganhar sua primeira super mega produção. Trata-se de Besouro – nasce um heroi, de João Daniel Tikhomiroff.

O roteiro de Besouro tomou forma após o diretor ter lido o livro “Feijoada no Paraíso – a saga de Besouro, o capoeira”, de Marco Carvalho. Tikhomiroff ficou fascinado com a ideia de contar a história desse capoeirista brasileiro, num filme que mesclará fatos reais e ficção, recheado de cenas de luta.

Para ficar por dentro dos bastidores da produção, é só fazer uma visita ao blog oficial do filme.